Ícone do site Casa Lab

As seis plantas preferidas da Casa Lab para começar sua selva particular

Que o verde é o novo preto, todo mundo já percebeu. Tem sido incrível ver a quantidade de pessoas interessadas em ter “pelo menos um cantinho” verde. Ter flores e plantas em casa muda o seu dia, o seu humor e até sua relação com tempo. Não entendeu? Te explico. Quando você se compromete a cuidar das plantas, ou montar uma horta em casa, você passa a perceber que o comportamento delas muda de acordo com a estação do ano. Você percebe também que elas se movimentam em direção à luz, então durante a manhã sua plantinha fica “mais fechada” e conforme o sol fica a pino, ela se abre em direção a ele. Pra quem cuida de planta, não existe essa de que o dia passou e você nem viu.

Aqui na Casa Lab temos as nossas plantas do coração. Sim, tem uma ligação afetiva envolvida aí. São plantas que reconhecemos nas nossas fotos de infância, que tinham na casa dos nossos pais e avós. Mas também são as que a gente percebeu que mais se adaptam a ambientes com pouca luz, como apartamentos. Para começar a espalhar o verde pela casa, essas são as nossas indicações.

Cactos e suculentas



Somos suspeitas pra falar de cactos e suculentas. Quem acompanha a gente desde o início sabe que a Flowershop nasceu com uma pequena produção de terrários, ou seja, a gente AMA esse tipo de planta. Impossível resumir aqui os mil tipos de cactos e suculentas existentes, mas o que a gente pode dizer é que, diferente do que muita gente pensa, eles precisam de cuidados e não podem ser abandonados, não.

Quem compra os nossos terrários costuma relatar dois tipos de acidentes: água demais ou sol demais. Dificilmente você vai matar um cacto ou suculenta por falta de água, mas facilmente irá acabar com o seu terrário se você encharcá-lo ou se deixá-lo exposto diretamente ao sol (já que o vidro acaba se tornando uma espécie de lupa e tende a queimar as plantas).

Uma rega moderada a cada 15 dias costuma ser suficiente, mas se estiver na dúvida, faça o teste do palito (como a gente costuma fazer com bolo, sabe?): coloque um palito na terra. Se sair seco, regue. Do contrário, pode esperar mais um pouco para colocar água.

 

Samambaia



Essa é uma daquelas plantas que trazem à tona a nossa memória afetiva. Se muita gente se lembra de uma samambaia dentro de casa quando criança, é porque elas eram tendência na década de 1980.

Planta tropical de fácil cultivo, a samambaia precisa de bastante umidade e luminosidade – mas não gosta de ficar exposta diretamente ao sol. Gostam de regas diárias e abundantes (tenha bom senso para não encharcar) e ficam muito vistosas se, nos dias de muito calor, receber água diretamente nas folhas (você pode utilizar um borrifador de água). A samambaia é apegada aos lugares, por isso evite trocá-la de lugar o tempo todo.

Maranta

As marantas chamam bastante atenção por suas folhagens vistosas e com desenhos que parecem ter sido feitos à mão. Elas vão bem tanto em vasos como em jardins, já que seu crescimento é bastante rápido.

Plantas de sombra, vão muito bem em locais fechados e com pouca incidência de luz, mas recomenda-se colocá-la em lugares arejados de vez em quando.
Em épocas de muito calor, dá para regar uma vez ao dia. No inverno, apenas quando necessário (faça o teste colocando um palito na terra. Se sair seco, regue. Do contrário, pode esperar mais um pouco). Borrifar água nas folhas é uma maneira de deixá-las ainda mais brilhantes e vigorosas.

Jibóia



A gente ama a Jibóia porque ela é uma dessas plantas curinga. Se você deixá-la do lado de fora, ela se transforma em uma cerca viva, crescendo sem parar. Agora, plantada em vaso, do lado de dentro de casa, nem parece que é a mesma espécie. Ela cresce bem moderadamente e fica linda mesmo com pouca incidência de luz.

As folhas da Jibóia também se parecem mutantes. Quando jovens elas lembram um coração, bem fofas. Já adultas, mais ou menos dez anos depois de serem plantadas, elas se tornam mais amareladas e ficam maiores, parecendo mais exóticas.

Trepadeira tropical de fácil manutenção, ela gosta de água e calor. Regue-a de duas a três vezes por semana, aumentando o fornecimento de água no verão (a gente recomenda regar todos os dias nos verão) e diminuindo no inverno. O solo deve ser rico em matéria orgânica: adicione composto ou húmus de minhoca a cada três meses, mexendo bem a terra para misturar.

Véu de noiva



A primeira vez que trouxemos uma véu de noiva aqui para a Flowershop foi uma comoção geral. Assim que tiramos ela do plástico e vimos pender suas folhas pequeninhas, de um verde bemmm escuro e tons arroxeados e um monte de florzinhas brancas, quase infartamos de emoção! Ela é maravilhosa para pendurar e o mais legal é que floresce o ano todo. Por ser uma planta de meia-sombra, quase não precisa de sol, mas sentimos que algumas horas por semana com exposição direta à luz solar deixam ela bem feliz. A rega precisa ser constante porque ela gosta de solo bastante úmido. Se você puder regá-la todos os dias, vai ver como ela fica mais cheia e vistosa.

Monstera



Mais conhecida como Costela de Adão, a Monstera virou moda nos últimos dois anos e se tornou tendência de decoração. A gente não curte muito tendências, mas nos rendemos à Monstera e morremos de paixão por ela. Nativa do México, é uma trepadeira de caule lenhoso e crescimento vertical. Se você deixá-la perto de um muro, pode ser que com o tempo ela suba por ele, então se é essa não é a ideia, melhor deixá-la mais afastada da parede. As folhas lembram o desenho de uma costela e são super brilhantes, enormes e lindas.

Ela é uma planta de meia-sombra, ou seja, ideal para ambientes com pouca ou nenhuma incidência de raios de sol. Precisa ser regada diariamente e, pra que ela ficar bastante feliz, a gente recomenda passar um pano úmido nas folhas. Você vai ver como ela reage! A monstera suporta bem baixas temperaturas e podem ser plantadas em vasos e cachepôs.

Sair da versão mobile